Blog sobre Moçambique

sábado, 27 de junho de 2009

Ainda Sobre a Revolução Verde - como impulsionar em Moçambique ?

Aproximadamente dois terços da população do Continente Africano sustenta-se em pequenos campos agricolas que muitas das vezes falham em produzir alimentos suficientes para o auto-sustento das próprias familias.

Estive a ler Dwyer Gunn no New York Times, onde aponta que Europa, América e Asia tiveram suas "revoluções verdes" que resultaram no aumento da produtividade, o que permitiu que os pequenos agricultores enviassem os seus filhos para estudarem nas grandes cidades o que não está a acontecer no continente Africano.

Ainda segundo Gunn um recente relatório de Desenvolvimento do Banco Mundial conclui que para as pessoas mais pobres, o crescimento do PIB originado da agricultura é cerca de quatro vezes mais eficaz no aumento da renda das pessoas em situação de pobreza extrema do que o crescimento do PIB proveniente de fora do sector.

Robert Paarlbeg, autor de Starved for Science: How Biotechnology Is Being Kept Out Of Africa, aborda sobre o investimento em agricultura por parte dos Governos africanos e das ONG´s com início na década de 80. Este autor, essencialmente, refere-se que há um distanciamento em áfrica de uma agricultura baseada na Ciência, que faz sentido nos países ricos onde a ciência já deu muita produtividade à agricultura. Mas esta abordagem é perigosa quando arrastada para África onde muitos agricultores continuam encurralados na pobreza porque não têm acesso à Ciência.

Assim, independentemente dos métodos escolhidos, algo terá de ser feito para aumentar a produção alimentar entre os pequenos agricultores em África ou o meio ambiente vai sofrer. Em qual das opções teremos que alinhar ? Vamos aumentar os rendimentos agrícolas em terras já cultivadas, ou a combinação de baixos rendimentos e aumento populacional irá forçar pequenos agricultores a devastar florestas virgens e cultivar. Ou será que os Países doadores deverão colocar de lado os seus subsídios ao sector no continente Africano ?

Leia aqui um pouco da experiência do Vizinho Malawi na agricultura nos últimos anos.

Que outras possibilidades existem para se impulsionar a Revolução verde em Moçambique e em África ?


Share/Save/Bookmark

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Revolucao Verde em Mocambique - Agro-Economista Firmino Mucavel lanca criticas

A Revolucao verde em Mocambique, na optica do Economista Firmino Mucavel, produz investimentos pouco significativos pois, segundo argumenta, existe confusao entre mecanizacao e tractorizacao, pois alguns decisores de politicas agrarias resumem a revolucao verde a aquisicao de tractores novos, ignoraando a pesquisa, a inovacao, a experimentacao, a tecnologia e a extensao.
o Agro-Economista Mocambicano defende ainda que o financiamento a agricultura deve ir muito alem dos investimentos em infra-estruturas e vias de acesso, mas sim deve haver investimento na tecnologia.
um outro aspecto levantado por Mucavel numa palestra orientada em Maputo, com o tema "Revolucao Verde como Opcao de Desenvolvimento Agrario: o Caso de Mocambique", e a necessidade de os jovens assumirem a dianteira no mundo dos negocios, apontando que nao se pode fazer a revolucao verde com empresarios de 61 anos de idade,

Bom, o Dr Firmino Mucavel fez uma abordagem tipica da sua forma de estar entanto que economista agrario, provavelmente os decisores de politicas agraria em Mocambique estejam a concentrar mais os seus discursos pela necessidade que vem na priorizacao de tractores para o pais, em relacao a tecnologia por exemplo, no entanto afigura-se pertinente a colocacao de alguns ingridientes ao debate sobre a revolucao verde.

por exemplo em relacao ao financiamento a revolucao verde, o debate vai muito alem da discussao entre o financiamneto ao investimento em tractores ou em tecnologias, ou ainda em vias de acesso aos mercados agricolas, mas inclui os moldes em que este financiamento acontece e a disponibilidade do mercado financeiro Mocambicano para investimentos neste sector. Provavelmente em relacao ao financiamennto a agricultura seja importante chamar a responsabilidade o investimento publico, o papel do Estado Mocambicano .

A equacao da revolucao verde em Mocambique tem varias variaveis e incognitas, e ha um aspecto que ninguem ou poucos fazem referencia: O INVESTIMENTO EM CAPITAL HUMANO COMO BASE PARA A REVOLUCAO VERDE. O discurso de aposta no ensino tecnico-profissional criou uma forte espectativa no seio da sociedade Mocambicana nos ultimos 6 anos pois este ramo da educacao constitui um dos principais pilares na luta contra a pobreza. Hoje as escolas tecnicas agrarias que seriam o motor da revolucao verde, ainda carecem de meios basicos de funcionamento em todo o Pais. Por exemplo, o Instituto agrario de Boane, que tive a oportunidade de visitar e conversar com os alunos, tem carencias elementares que colocam um ponto de interrogacao a qualquer agente do sector da agricultura. Os estudantes do final de curso nao sabem na pratica o que e um tractor nem como funciona e nem para que serve, nao sabem lidar com a terra, nunca experimentaram tecnicas basicas de agricultura, os campos do instituto, onde os estudantes poderiam ensaiar algumas tecnicas, sao autenticas matas subaproveitadas, os estudantes fazem estagios profissionais na Bananalandia, uma empresa agricola privada, em tarefas que nada ou pouco tem a ver com a sua formacao. isto e um pequeno exemplo de uma escola tecnica de agricultura que esta localizada a sensivelmente 30 Km da cidade de Maputo.

O investimento no ensino tecnico-profissional e fundamental, deve ser pratico se se pretende imprimir a revolucao verde. Os jovens sem uma boa preparacao nao vao fazer revolucao nenhuma, sem meios e sem o investimento publico e privado dificilmente podera fazer-se alguma revolucao verde. Por isso ficamos preocupados quando se coloca a carroca a frente dos bois depois de este tempo todo. nunca e tarde !

Basilio

Ps: Se o Dr Mucavel se cruzar um dia com estes escritos, ou lhe chegarem as maos, gostaria de saber um pouco mais da sua experiencia no NEPAD, as boas praticas e os projectos ou iniciativas ao nivel do continente africano que o NEPAD proporcionou ou proporciona. Tirando algumas palestras em que participei, nao tive a oportunidade de partilhar das iniciativas geradas pelo NEPAD. Aguardo que um dia o prezado Professor Mucavel nos transmita a experiencia.
Share/Save/Bookmark